Gestão de estoque e 5 segredos para você controlar a sua mercadoria

with Nenhum comentário

A gestão de estoque é extremamente importante para a sua empresa! Especialmente se você trabalha com varejo, manufatura, entre outros segmentos, ela se torna fundamental para compreender o negócio. 

Ter um estoque repleto de mercadorias não significa necessariamente algo bom para a sua indústria, uma vez que muitos problemas podem surgir, como danos, roubo, desgaste etc. 

Por isso, é necessário realizar um bom gerenciamento do seu depósito para não perder dinheiro e fazer com que os seus clientes sempre se sintam felizes com o que você tem a oferecer a eles. 

Sendo assim, não perca por nada este conteúdo e saiba quando você deve comprar matérias-primas para o seu estoque. 

Antes de mais nada, o que é gestão de estoque?

A gestão de estoque é uma das principais atividades da qual empresas que lidam com estoque de produtos devem realizar. 

Isso porque o estoque está relacionado diretamente com a gestão administrativa e financeira das indústrias, além de ser o local de recebimento e despacho das matérias-primas. 

Fora esse fato, realizar uma gestão de estoque eficiente é uma maneira de mostrar a investidores que a sua marca consegue se manter organizada perante o controle da quantidade de itens armazenados. 

E o mais importante de tudo: como essa tarefa está intimamente ligada à gestão administrativa, fica mais fácil compreender do que se trata os produtos que você vende e quais as necessidades de compra dos seus clientes. 

Assim, realizar a gestão de estoque é também se importar com a gestão de compras dos produtos que a sua empresa oferece para os consumidores. 

Mas por que a gestão de estoque é importante?

Mulher sentada em frente a tela de computador olhando informações para uma boa gestão de estoque.

Você pode muito bem um dia olhar para o seu estoque e dizer: “Poxa, quantos produtos! Isso sim é sinal de sucesso”

Na realidade, ter um depósito repleto de mercadorias representa instabilidade nos investimentos, já que os itens estão paralisados, sem um destino final. 

Por esse motivo, realizar a gestão de estoque, juntamente com a gestão administrativa e financeira na sua indústria, é um dos caminhos para que o sucesso seja realmente atingido. 

Afinal, um estoque que realmente demonstra que a sua empresa está mandando bem no mercado é aquele que garante atividade constante, como o impedimento de haver um excesso ou falta de itens para os consumidores. 

Além disso, outro fator que representa que você está fazendo além do estoque, uma gestão de compras capaz de atrair consumidores, é o fluxo de entrada e saída dos produtos, que deve ter o mesmo esquema, praticamente. 

Porém, você que trabalha com estoque com certeza deve saber que as atividades podem sofrer grandes oscilações ao longo de um ano, correto?

Por isso, é sempre necessário que você se previna para que os imprevistos não atrapalhem a demanda solicitada pelos clientes. 

Falando em demandas, conhecer o seu setor de atuação é também outro fator bastante relevante para a excelente realização de uma gestão administrativa e de estoque. 

Quando você tem total conhecimento do seu mercado, fica muito mais fácil tomar as melhores decisões e impedir que erros graves aconteçam durante a gestão, como o de adquirir matérias-primas desnecessárias. 

Métodos eficientes para uma boa gestão de estoque

Para que você consiga aliar a gestão administrativa e financeira com a de estoque, é recomendado seguir a linha de raciocínio de alguns métodos, dos quais são muito utilizados pelas empresas. 

Conheça-os: 

1 – PEPS

A metodologia PEPS significa primeiro a entrar, primeira a sair

Ela representa o óbvio em uma gestão de depósito, que é a venda das mercadorias mais antigas antes das novas. 

Com isso, é possível fazer com que os itens “velhos” não percam o seu prazo de validade ou nem saiam de moda. 

Por ser simples, a PEPS é uma das técnicas mais utilizadas por gestores que pretendem gerenciar melhor os estoques de suas indústrias. 

2 – UEPS

Ao contrário da metodologia PEPS, o UEPS quer dizer o último a entrar, o primeiro a sair

Isso significa dizer que o produto mais recente do estoque da sua indústria deva ser o primeiro a ir para as prateleiras. 

Se você possui uma empresa de produtos perecíveis, o recomendado é não utilizar o UEPS. Isso porque ele possui técnicas de controle para que essas marcas não sofram com nenhum dano ou perca de mercadoria. 

Além do mais, essa prática pode ser impossibilitada pela Receita Federal, pois os custos dos produtos vendidos são calculados de acordo com o valor dos itens mais novos. 

Assim, o UEPS faz com que o lucro contábil da sua marca seja menor, dificultando os cálculos do Imposto de Renda. 

Dessa forma, essa metodologia é recomendada somente para aquelas empresas cujo os objetivos são gerenciais. 

3 – Custo Médio 

O Custo Médio também pode ser conhecido como médio ponderada móvel

Esse tipo de metodologia é capaz de renovar todos os valores do estoque sempre que houver a entrada de uma nova mercadoria. 

Para isso, ele utiliza o cálculo de uma média ponderada, que tem como resultado a soma de todos os valores dos itens antigos em seu estoque e dos produtos mais recentes, dividida pelo total da mercadoria disponível no depósito. 

Não à toa, esse tipo de gestão, que pode ser alinhada tranquilamente com a gestão administrativa e financeira da sua indústria, serve para marcas que possuem produtos sem muita alteração de valores. 

Ainda assim, para a sua realização, é necessário adotar técnicas adicionais para verificar se o depósito não possui itens super ou subavaliados. 

Por fim, esse tipo de método é um dos únicos, ao lado do PEPS, que o Ministério da Fazenda aceita para o cálculo do Imposto de Renda. 

4 – Just in Time

O Just in Time quer dizer no momento certo

Essa metodologia foca na gestão de redução de custos, bastante utilizada quando o nível do estoque está abaixo do que o normal para atender as demandas da indústria. 

Para realizar com sucesso essa metodologia, é necessário ter um acompanhamento constante dos gestores, com o objetivo de evitar que as boas oportunidades desapareçam. 

Aqui, vale você colocar em ação a sua gestão administrativa e financeira e contar com parceiros competentes para atender a todas as requisições. 

5 -Curva ABC

Homem com colete amarelo colocando caixa em prateleira de estoque.

A última metodologia que precisamos ressaltar é a Curva ABC, que representam três pilares fundamentais para uma boa gestão de compras, dos quais são: giro, faturamento e lucratividade

Assim, a mercadoria que há no seu estoque pode ser classificada da seguinte forma: 

Itens A

As mercadorias de maior importância e valor para a sua indústria e clientes. Por esse motivo, é necessário ter sempre o controle delas. 

Itens B

As mercadorias de valor médio da sua empresa e que não precisam ter um controle tão rigoroso quanto os itens A. Normalmente são um pouco mais numerosos que o primeiro. 

Itens C

Os itens do tipo C são considerados menos valiosos para a sua marca, possibilitando que você não desprenda tantos recursos em cima deles. São aqueles que podem ser excluídos do seu portfólio a qualquer momento. 

Como fazer o gerenciamento de estoque 

Bom, agora que você sabe o que é e quais são os melhores métodos de para fazer o gerenciamento de estoque, chegou a hora de conhecer as melhores práticas para implementar na sua indústria: 

  1. Inventários: para tê-los, é preciso levantar a existência de todos os itens presentes no seu depósito. Nessa hora, o recomendado é fazer a organização da disposição de toda a mercadoria para uma boa gestão de compras também. Para isso, separe-os de acordo com o tipo, data de vencimento e estado de conservação; 
  2. Informações importantes: independentemente da forma que você vai registrar os seus inventários, seja utilizando planilhas do Excel ou anotando manualmente, é preciso colocar todas as informações de relevância. Caso isso não ocorra, é bem provável que você tome decisões erradas. Informações importante são o custo, o fabricante, a categoria do produto, validade, entre outras; 
  3. Custos e receitas: apesar do principal objetivo da gestão ser o controle físico das mercadorias, esse tipo de prática pode ser utilizada para a gestão administrativa e financeira da sua indústria também, que levam em conta a margem de lucro e o giro de vendas de um determinado produto. Por isso, é necessário conhecer o seu público-alvo para entender quais são as necessidades dele e aprimorar cada vez mais as mercadorias; 
  4. Sistema único: gerenciar o estoque da sua empresa por um único sistema é o melhor jeito de garantir controle de inventários, já que todas as informações estarão centralizadas em uma única plataforma, que possibilita a diminuição de erros; 
  5. Monitoramento: ficar sem estoque pega muito mal para qualquer negócio. Por isso, é necessário monitorar as vendas, que ajuda você a prever quais são as necessidades de compras e garantia de que você encomendou a quantidade certa de matéria-prima; 
  6. Mercadorias antigas: as mercadorias antigas também precisam de monitoramento. Não à toa, a gestão administrativa é um excelente recurso para tratar e evitar as perdas delas. Isso porque ela ajuda você a controlar melhor todos os itens de baixa movimentação dentro do seu depósito. 

Não dê bobeira: faça agora o controle do seu estoque! 

Independentemente da quantidade de mercadorias que há dentro do seu estoque, é preciso realizar um excelente gerenciamento para que você seja capaz de vender os produtos para os seus clientes. 

Para isso, há inúmeras maneiras de fazer a gestão do estoque da sua indústria, como ressaltamos neste conteúdo: PEPS, UEPS, Custo Médio, Just in Time e Curva ABC. 

Essas cinco metodologias são segredos revelados por pessoas que tiveram sucesso com o gerenciamento dos seus produtos dentro dos estoques da sua indústria. 

Sendo assim, que tal fazer parte dessa parcela de empresários?

Compartilhe nas redes sociais!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *